Notícias

Africanos buscam inspiração na experiência brasileira de convivência com o Semiárido

Quinta, 13 Dezembro 2018 13:58

A delegação africana conheceu as tecnologias de acesso à água, os bancos comunitários de sementes e o processo de certificação participativa agroecológica.

Foi com a história de luta, resistência e tradição da comunidade quilombola Sítio do Veiga, em Quixadá, que representantes de Senegal, Níger, Burkina Faso e Chade fortaleceram a troca de experiências de convivência com o Semiárido entre Brasil e África. A morada de 39 famílias remanescente de quilombo também foi lugar de resgatar a ancestralidade e a identidade negra. “A expectativa é de aproximação. Quebrar o estereótipo de que a África é um local de profunda miséria. Vamos conhecer as experiências uns dos outros. Nossas fraquezas e dificuldades são bem parecidas”, afirma Ana Maria Eugênia, assistente social e liderança comunitária.

Fundada em 1906, Sítio Veiga foi a primeira comunidade rural a ser visitada durante o Intercâmbio entre Agricultores e Agricultoras de Regiões Áridas e Semiáridas do Mundo, organizado pela Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) e pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Ao longo desta semana, o grupo vai visitar outras comunidades rurais no semiárido cearense.

No Sítio Veiga, os africanos conheceram as cisternas de consumo humano e produção. Essas tecnologias de armazenamento e captação de água de chuva estão sendo implantadas nos países visitantes. A construção de cisternas na África ainda está em fase piloto. Mas a perspectiva é essa iniciativa ganhe escala assim como no Brasil, que tem uma política pública de acesso à agua que é fruto da parceria entre a sociedade civil e o Estado.

intercambio africa 02

As primeiras cisternas de consumo chegaram à comunidade em 2005. Antes disso, as mulheres percorriam 5 km para pegar água, que era imprópria para beber. “A gente trazia água nas cabaças no lombo de um jumento. A água era pra tudo. Depois dessas políticas públicas a nossa vida começou a mudar”, relata Ana Eugênia.

De acordo com Youssoupha Gueye, representante do Ministério da Agricultura do Senegal, as características geográficas do semiárido cearense são bem próximas ao de seu país. “Nós somos um país semiárido como o Nordeste brasileiro. Chegamos aqui para conhecer a experiência brasileira com as cisternas. Vamos começar a realizar o Programa 1 Milhão de Cisternas e queremos aprender como construir as cisternas e os diferentes tipos. Também estamos interessados na relação entre governo e sociedade civil na realização de políticas públicas”, conta Youssoupha.

Eles também visitaram a Casa de Semente Pai Xingano, que guarda várias espécies de sementes de fava, milho e feijão. As famílias que pegam semente do banco precisam devolver uma quantidade a mais, pois, dessa forma, é possível atender outras famílias. A forma e a quantidade a ser devolvida foram decididas pela associação. Ana Eugênia conta que “a casa de sementes é um espaço de conhecimento”, e, antes, as famílias dependiam da semente distribuída pelo governo, que chegava atrasada.

intercambio africa 01

No período da tarde, foi a vez da delegação visitar a experiência dos consórcios agroecológicos e da certificação participativa da comunidade Riacho do Meio, no município de Choró. Atualmente, a comunidade tem 69 famílias que vivem da produção de algodão, milho, feijão e gergelim. Tudo é plantado de forma consorciada e sem uso de veneno. João Felix, líder da comunidade, conta que nem sempre foi dessa forma. Até 1994, a comunidade fazia queimada e usava agrotóxico. A mudança ocorreu a partir da chegada do projeto de consórcio agroecológico realizado pelo Esplar – Centro de Pesquisa e Assessoria.

A certificação da produção hoje é feita por meio da Associação de Certificação Participativa Agroecológica (ACEPA) na qual os participantes fiscalizam uns aos outros. A associação é reconhecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O trabalho também envolve os jovens da comunidade, que são responsáveis pelo beneficiamento do gergelim. Eles produzem paçoca, cocada, óleo, entre outros produtos. A renda dos produtos é usada para pagar as despesas de produção, e outra parte é dividida entre eles.

Na quarta-feira (12), a comitiva africana conheceu a Feira da Agricultura Familiar de Quixeramobim, onde entrou em contato com a produção de várias comunidades do município. De lá, o grupo seguiu viagem para conhecer as experiências de cisternas de produção, reuso de água cinza (bioágua) e quintal produtivo na comunidade Sítio Muxinató, em Senador Pompeu. À tarde, a comunidade Várzea de Cima, em Ibaretama, recebeu com festa e cantoria a delegação vinda da região africana de Sahel. Os visitantes conheceram a Casa de Sementes “Zéduardo”, implantada em 2016 pelo Esplar, em parceria com a ASA.

As visitas do intercâmbio se iniciaram na terça-feira (11) e seguem até a quinta-feira (13), quando a delegação passar pelos municípios de Barreira, Ocara e Chorozinho.

Fonte: Articulação do Semiárido Brasileiro