Notícias

Juventudes do Inhamuns se reúnem em Tauá para troca de experiências

Quarta, 30 Janeiro 2019 16:48

O Festival de Juventudes do Semiárido do Território dos Inhamuns ocorreu de 24 a 26 de janeiro, na Universidade Estadual do Ceará, em Tauá

festival juventudes 01

Cada um dos mais de 200 jovens que participaram do Festival “Juventudes do Semiárido”, em Tauá, levou consigo manifestações culturais, hábitos de produção e rotinas alimentares de suas comunidades. Entre os dias 24 e 26 de janeiro, o festival promoveu debates políticos e culturais por meio da troca de experiências, do reconhecimento de conhecimentos tradicionais e do fortalecimento da identidade da juventude rural, no Centro de Educação, Ciência e Tecnologia da Região dos Inhamuns (Cecitec) da Universidade Estadual do Ceará. O plural no nome do evento não é à toa. Juventude Indígena. Juventude Quilombola. Juventude Camponesa. Foram diferentes juventudes que ali estiveram presentes para enriquecer os debates.

De acordo com Silvana Holanda, assessora do projeto Paulo Freire no Esplar – Centro de Pesquisa e Assessoria e membro da comissão organizadora do festival, como preparação para o evento, foram realizadas 17 oficinas com jovens de 15 a 19 anos atendidos nas 52 comunidades que o Esplar atua pelo projeto Paulo Freire, nos municípios de Aiuaba, Arneiroz, Parambu, Quiterianópolis e Tauá. “Nas oficinas com as juventudes, a gente trabalhou a identidade e a garantia de direitos, fortalecendo a convivência com o semiárido. Foi uma preparação de sensibilização, de mobilização e de conscientização para a juventude. Para quando ela chegasse ao festival, tivesse embasamento político, teórico, cultural”, ressaltou Silvana.

festival juventudes 02

O Esplar compôs o Painel “Juventudes do Campo: Agroecologia e Democracia no Ceará”, sendo representado por Andrea Sousa, coordenadora de projetos de Educação Contextualizada. Andrea aproveitou sua fala para fazer um convite à reflexão. “Como é que a gente pode transformar a nossa realidade a partir de onde a gente está? A estratégia é ocupar os espaços”, pontuou. Ela reforçou a importância da Educação Contextualizada para a transformação das realidades locais. “A educação tem que ser transformadora. O debate com os professores é muito importante porque são eles que trabalham os conteúdos. Por que a aula de Biologia não pode ser na beira da lagoa?”, reflete Andrea.

festival juventudes 03

Convivência com o Semiárido, Educação Contextualizada, Agroecologia, Sementes Crioulas, Identidade e Sucessão Rural, Diversidade Sexual e Identidade Étnico-Racial foram temas desenvolvidos nas oficinas do festival e apresentados por meio de diferentes linguagens, como teatro de bonecas, cordel, desenho, estandarte e pintura corporal. A jovem indígena Janaína Jenipapo, do povo Jenipapo-Kanindé, integrou a equipe que ministrou a oficina sobre Identidade Étnico-Racial, a demonstração de pinturas corporais indígenas. “Eles não sabiam muito sobre os povos indígenas. Foi todo um preparo espiritual para que eles pudessem sentir a leveza, poderem conhecer mais sobre a questão da espiritualidade para depois tocar no assunto da pintura. Porque a pintura envolve a espiritualidade. Foi uma troca de experiências muito boa. Eles gostaram muito”, conta Janaína.

festival juventudes 04

Para Socorro Costa, técnica do Esplar, a participação da juventude indígena é fundamental para concretizar o espaço de fala desses sujeitos. “A troca de experiências entre a juventude indígena, a juventude camponesa e a juventude quilombola fortalece e promove uma discussão em um âmbito das várias possibilidades de entender a cultura dessa juventude atuante”, afirma Socorro. O evento encerrou-se com a leitura da Carta das Juventudes dos Inhamuns, aprovada pela assembleia de jovens.

O festival foi organizado pelo Esplar, pela Cáritas Diocesana de Crateús, pelo Escritório Regional do Projeto Paulo Freire dos Inhamuns, pelo STRAAF de Tauá, pela Fetraece e pela Prefeitura de Tauá, com promoção da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA), através do Projeto Paulo Freire, e com o apoio do Instituto Agropolos do Ceará (IACe).

festival juventudes 05