Notícias

Desde 2003, agricultoras e agricultores de Choró produzem algodão em consórcios agroecológicos

consorcios choro 01

Uma geração de agricultoras e agricultores do Sertão Central cearense traz, em suas memórias de infância, a dura realidade vivida por seus pais na época da, popularmente conhecida, “meia do algodão”. A prática de entregar metade de toda a produção de algodão para o dono da terra onde vivam as famílias de agricultores era resultante de injustas condições de trabalho e comércio. Além da superação dessa prática, essa geração herdou de seus pais os conhecimentos sobre o cultivo de algodão Mocó, chamado de ouro branco.

A partir de 1993, o Esplar – Centro de Pesquisa e Assessoria e a Associação de Desenvolvimento Educacional e Cultural de Tauá (Adec) passaram a incentivar o cultivo em consórcios agroecológicos de algodão e outras culturas, como feijão, milho e gergelim. É o que acontece há 15 anos na comunidade Riacho do Meio e no assentamento São João da Conquista, no município cearense de Choró. Em 2003, por intermédio do Esplar e do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (STRAAF), iniciou-se a produção de policulturas em consórcios utilizando técnicas agroecológicas, como uso de protetores naturais, conservação do solo e da água e adubação orgânica.

O Ceará chegou a ser o 2º maior produtor de algodão do Brasil, ocupando 1.250.000 hectares em 1981, conforme o agrônomo Pedro Jorge B. F. Lima. No entanto, a época do auge também representou condições injustas de trabalho impostas pelos fazendeiros. “Quando eu era pequena, meu pai já plantava o algodão. Mas ele plantava na época da meia do patrão. A gente era morador. A metade da produção era do fazendeiro. Era o fazendeiro que pesava e fornecia (gêneros alimentícios). Tinha o comércio para fornecer”, relata Eliane Lobo Ramos, do assentamento São João da Conquista e atual presidente do STRAAF de Choró.

Eliane acompanhou de perto o início dos consórcios no município e atuou na articulação do projeto durante o primeiro ano, implantando seu próprio consórcio no ano seguinte. “Estava naquele período em que o pessoal só plantava algodão se tivesse veneno. O banco financiava o custeio agrícola para o algodão, mas já vinha no pacote o veneno. A gente não queria, mas, para ir ao banco, tinha que ter o veneno”, relembra. O agricultor João Alberto Pinheiro, da comunidade de Riacho do Meio, tem na pele as marcas dessa época. Ele se submeteu às exigências de um banco para conseguir financiamento para o cultivo do algodão e apresenta cicatrizes por exposição ao veneno no rosto e nos braços.

consorcios choro 02

João Alberto, também conhecido como Beto, revela que recebeu laudo técnico com a exigência do uso do veneno. “Antes mesmo de trabalhar com o Esplar, eu já tinha abandonado o veneno porque queimei o meu rosto. Tenho até umas manchinhas aqui e acolá. Eu desentupi a máquina, esqueci e passei a mão no rosto. Parei no médico”, relata Beto. O agricultor revela ainda que a produção não foi boa naquele período e não teve retorno. “Usando esse veneno, eu só produzi duas arrobas em dois hectares. Peguei 33 sacos de milho e vendi para pagar o banco para não ficar endividado porque o algodão não compensou. Não queria usar veneno, mas era a técnica deles”, desabafa Beto.

Em 2002, as agricultoras e os agricultores de Choró buscavam alternativas para essa situação quando Marcus Vinicius de Oliveira, atual diretor-presidente do Esplar, sugeriu que eles se inspirassem em experiências exitosas de Tauá e fizessem intercâmbios para conhecê-las e replicá-las. “Marcus disse que podia articular uma visita à Tauá. Um grupo de lá trabalhava com consórcio agroecológico. A gente conversou sobre a possibilidade de implantar em Choró algo parecido”, narra Eliane.

De acordo com Eliane, 12 pessoas foram a Tauá no dia 2 de agosto daquele mesmo ano. Do grupo, sete agricultores resolveram iniciar o plantio em 2003. Quatro deles fizeram uma área coletiva em São João da Conquista; e os outros três agricultores iniciaram os consórcios na comunidade de Caiçarinha. No ano seguinte, também participaram seis pessoas de Riacho do Meio, entre elas, João Alberto. A partir daí, vários intercâmbios e formações foram realizados entre Choró e outros municípios.

consorcios choro 03

Publicado em Notícias

Valorização do modelo agroecológico de produção e redução do uso de agrotóxicos são alguns dos objetivos do Pacto. 

Publicado em Notícias

No Dia do Nordestino, 08 de outubro, representantes de instituições integrantes do Fórum Cearense pela Vida no Semiárido (FCVSA) tiveram uma audiência com o governador Camilo Santana. O objetivo do encontro foi discutir o apoio do Governo do Estado do Ceará na continuidade das ações de convivência com o semiárido.

Publicado em Notícias

Vídeo apresenta experiências de duas agricultoras com vendas de produtos da agricultura familiar. 

Publicado em Notícias

As feiras possibilitam o contato direto entre agricultores e agricultoras com o consumidor, retirando desse comércio o atravessador.

Publicado em Notícias

A expansão dos transgênicos na América Latina e as ameaças que eles representam para o modelo agroecológico de cultivo são abordados no livro “América Latina: La transgénesis de un continente. Visión crítica de una expansión descontrolada”. 

Publicado em Notícias

A afirmação foi feita em um seminário em Brasília. Participantes formalizaram uma série de recomendações para o desenvolvimento da agroecologia.

Publicado em Notícias

Animação explica a importância da agricultura familiar com base agroecológica para a produção de comida saudável.

Publicado em Notícias

Agroecologia, agricultura familiar e produção orgânica. Maria Emília Pacheco, presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), explica a diferença entre os termos em entrevista à jornalista Amelia Gonzalez na série Empreendedorismo e Sustentabilidade do Programa Entrevista do Canal Futura.

Publicado em Notícias